Ginástica Laboral e Inclusão

O número de empresas com pessoas com deficiência (PCD) aumentou. Baseado na lei de Cotas para contratação e inclusão de pessoas com deficiências no mercado de trabalho (8213/91), as empresas com determinado número de funcionários são obrigadas a destinar de 2 a 5% do seu quadro funcional para pessoas com deficiências. Portanto, nos grupos de Ginástica Laboral, é importante o profissional de Educação Física ter uma postura de acolhimento com estes colaboradores.

A Ginástica Laboral consiste na realização de exercícios físicos realizados coletivamente no ambiente de trabalho. Os exercícios são prescritos por profissionais de Educação Física conforme a função exercida pelo trabalhador. A Ginastica Laboral tem como objetivo prevenir doenças osteomusculares relacionadas ao trabalho, redução do absenteísmo, aumento da produtividade, melhora das relações interpessoais, desenvolvimento e aprimoramento das qualidades físicas. As séries de exercícios tem duração de 10 a 15 minutos, são baseadas em técnicas de alongamento, respiração, reeducação postural (no posto de trabalho) e percepção corporal.  A ginástica laboral promove diversos benefícios para a saúde do colaborador e para a empresa.

O número de empresas com pessoas com deficiência (PCD) aumentou. Baseado na lei de Cotas para contratação e inclusão de pessoas com deficiências no mercado de trabalho (8213/91), as empresas com determinado número de funcionários são obrigadas a destinar de 2 a 5% do seu quadro funcional para pessoas com deficiências. Portanto, nos grupos de Ginástica Laboral, é importante o profissional de Educação Física ter uma postura de acolhimento com estes colaboradores.

As deficiências se enquadram em uma destas quatro categorias:

  • Deficiência física: alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando comprometimento da função física, tais como paraplegia, tetraplegia, triplegia, nanismo, membros com deformidade congênita ou adquirida, entre outras;
  • Deficiência auditiva: perda bilateral, parcial ou total da audição;
  • Deficiência visual: baixa visão, cegueira;
  • Deficiência mental: funcionamento intelectual significativamente inferior à média;
  • Deficiência múltipla: associação de duas ou mais deficiências.

                O cuidado com a população especial, vão desde o conhecimento de LIBRAS, facilitando a comunicação com os Surdos, didáticas especifica para cegos, portadores de baixa visão e da mesma forma para os deficientes intelectuais, também cuidados específicos em relação aos alongamentos para portadores de Síndrome de Down, exercícios específicos para cadeirantes e amputados. Da mesma forma que adaptamos a Ginástica Laboral para PCD, são realizadas adaptações para as gestantes, que vivem um momento especial, podendo haver restrições para realizarem algumas atividades propostas. Neste caso, adaptar exercícios para que elas continuem participando das aulas é muito importante.

Em se tratando de um PCD, o profissional de Educação Física precisa entender quais são as estruturas mais exigidas no trabalho e quais são os exercícios que devem ser propostos para compensar estas exigências. A responsabilidade do Profissional que irá ministrar as aulas de Ginástica Laboral, em um grupo com PCD, está em elaborar atividades inclusivas que melhorem as habilidades motoras de todos os colaboradores, promovendo desta forma o bem-estar, a melhora da saúde e qualidade de vida para todos os colaboradores de maneira inclusiva.

Sobre o Autor

Morgana Lovato Cantarelli administrator

Proprietária da Empresa Corpo em Ação , educadora física formada no IPA (1991), especializada em pedagogia do treinamento desportivo, especializada em pilates, palestrante, professora de massoterapia e Estado do Rio Grande do Sul

Deixe uma resposta