Lombalgias: cuidados e prevenção

Vocês sabiam que as lombalgias são responsáveis pelo número elevado de absenteísmo no trabalho? Segundo dados estatísticos do Ministério da Previdência Social, a dor nas costas é o principal motivo de afastamentos do trabalho no Brasil por mais de 15 dias. Em 2016, 116.371 pessoas tiveram de se ausentar do emprego por, no mínimo, duas semanas em razão desta enfermidade.

Conhecida popularmente como dor nas costas, as lombalgias atingem pelo menos 65% a 80% da população mundial em alguma etapa da vida.  Ou seja, 90% da população terá pelo menos uma crise lombalgia na vida. É uma das maiores queixas nos consultórios médicos, perdendo apenas para gripes e resfriados segundo a OMS.

O que seria o mau uso da coluna vertebral? O mau uso da coluna vertebral é advindo da má postura, uso excessivo de computadores, smartphones, muito tempo na mesma posição, esforço repetitivo, exercícios sem orientação profissional, carregar peso de maneira incorreta, uso de mochilas pesadas, condicionamento físico inadequado. As causas das lombalgias são diversas, além dos comportamentos inadequados, contamos ainda com uma série de patologias que colaboram para o aparecimento da dor como artrose, osteoporose, obesidade, sedentarismo, pequenos traumas e formações congênitas.

Os cuidados e tratamentos da lombalgia vão desde uso de medicações prescritas por médicos, e em casos mais graves as intervenções cirúrgicas são necessários, assim como sessões de fisioterapias e exercícios físicos, todos acompanhados por profissionais especializados.  Como prevenção das lombalgias é recomendada a mudança de hábitos, desde alimentação para estabilidade do peso ou redução dele, alongamentos e correções posturais e a prática regular e exercícios físicos orientados por profissional de educação física.

Sobre o Autor

Morgana Lovato Cantarelli administrator

Proprietária da Empresa Corpo em Ação , educadora física formada no IPA (1991), especializada em pedagogia do treinamento desportivo, especializada em pilates, palestrante, professora de massoterapia e Estado do Rio Grande do Sul

Deixe uma resposta