Categoria Sem categoria

Dia 28 de fevereiro é o dia mundial de combate a LER/DORT. Um dia importante para lembrarmos o quanto é importante a prevenção.

Segundo pesquisa realizada pelo IBGE, no Brasil, mais de 3 milhões de pessoas já tiveram a doença, mais recorrente nos membros superiores.

Consideradas a segunda maior causa de afastamento do trabalho no país, as Lesões por Esforço Repetitivo (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) englobam cerca de 30 doenças, acometendo homens e mulheres em idade produtiva.

LER é uma doença? 

Não, LER não corresponde a uma doença ou enfermidade. LER é a sigla para “Lesões por Esforços Repetitivos” e representa um grupo de afecções do sistema musculoesquelético. São diversas afecções que apresentam manifestações clínicas distintas e que variam em intensidade.

Porque a sigla DORT? 

Representa a sigla para “Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho” e foi introduzida para substituir a sigla LER, particularmente por duas razões: primeiro porque a maioria dos trabalhadores com sintomas no sistema musculoesquelético não apresenta evidência de lesão em qualquer estrutura; a outra razão é que além do esforço repetitivo (sobrecarga dinâmica), outros tipos de sobrecargas no trabalho podem ser nocivos para o trabalhador como sobrecarga estática (uso de contração muscular por períodos prolongados para manutenção de postura); excesso de força empregada para execução de tarefas; uso de instrumentos que transmitam vibração excessiva; trabalhos executados com posturas inadequadas.

Tipos mais comuns de LER/DORT

  • Síndrome do Túnel do Carpo.
  • Tendinites dos Extensores dos Dedos.
  • Tenossinovite dos Flexores dos Dedos.
  • Tendinite de ombro
  • Tenossinovite Estenosante (Dedo em Gatilho)
  • Epicondilite Lateral.
  • Doença de Quervain (inflamação dos tendões que estão localizados na base do dedo polegar).
  • Lombalgias
  • Bursites

O trabalhador com dor ou outro sintoma é portador de LER ou DORT?

Não, necessariamente. Sintomas como dor, dormência, formigamento, sensação de pontadas ou agulhadas, diminuição da força, sensação de peso ou cansaço nos membros, inchaço, dificuldade de movimentação, desconforto, entre outros, podem ser decorrentes de diversas condições não relacionadas às sobrecargas biomecânicas no ambiente de trabalho. Muitos distúrbios reumáticos, imunológicos, hormonais, metabólicos, ortopédicos, neurológicos ou infecciosos podem ser responsáveis por sintomas que simulam um distúrbio osteomuscular relacionado ao trabalho. Portanto é importante procurar o médico para a realização de diagnóstico preciso e de adequada estratégia terapêutica.

A Prevenção é o melhor remédio:

– Adequação ergonômica do ambiente de trabalho e atividades do dia a dia.

– Intercalar atividades.

– Realizar alongamento ou aquecimento prévio da região afetada.

– Fazer pausas durante as atividades para descansar e aliviar tensão e sobrecarga.

– Cuidar sempre da postura.

– Praticar exercícios físicos e fortalecimento prévio.

Ginástica Laboral

Como forma de prevenção e contribuição para qualidade de vida no ambiente de trabalho, a ginástica laboral, são exercícios efetuados no próprio local de trabalho, tendo como principais objetivos a prevenção das LER/DORT, a diminuição do estresse, dores musculares, fadiga, tensão muscular, aumento da consciência corporal, melhora do condicionamento físico, flexibilidade, coordenação e resistência, atuando de forma preventiva e terapêutica.

Dicas de exercícios para prevenção:

-Fonte: Sociedade Brasileira de Reumatologia

-Pesquisa IBGE fevereiro/ 2020

-Fonte: Sociedade Brasileira de Reumatologia

-Pesquisa IBGE fevereiro/ 2020

Não é mais novidade para ninguém que a prática de exercícios físico regular e bem orientado previne diversas doenças e melhora a qualidade de vida não é mesmo? Vários estudos atestam esta importância.

Independente da forma e condição física, preparamos algumas dicas para vocês iniciarem um programa para melhorar a saúde e a qualidade de vida. Vamos aproveitar a semana do carnaval para começar? Então, vamos lá!

O planejamento do programa de exercícios físicos, para ser bem-sucedido, deve começar com a opinião de um médico e de um profissional de educação física. Eles irão orientar sobre a melhor forma de trazer benefícios ao corpo e ao organismo, sem cometer abusos.

1ª Dica: Procure um médico para fazer os exames necessários para saber se está apto a praticar os exercícios. Se tem algum antecedente pessoal
ou familiar de doença cardíaca, diabetes e problemas ósseos e articulares.
 A avaliação do médico é importante para a participação do programa com mais segurança e tranquilidade.

2ª Dica: Se liberado pelo médico, procure um profissional de educação física, personal trainer ou instrutor da academia, para desenvolver um programa indicado às suas necessidades, condicionamento físico atual e histórico.

3ª Dica: Escolha um exercício que lhe agrade. Encontre um exercício físico que proporcione prazer e satisfação. Não vai adiantar, por exemplo, ir para uma academia se você prefere atividades ao ar livre. É importante optar por atividades que combinem com necessidades físicas, como possíveis problemas musculares e de postura, estilo de vida e a rotina: se trabalha em pé ou sentado, se tem algum hobby, se é uma pessoa estressada.

4ª Dica: Use os equipamentos adequados para a modalidade escolhida. Ciclistas devem usar capacetes e luzes de advertência nas bicicletas; para caminhadas ou corrida, roupas leves e tênis com bom amortecimento de impacto; musculação, luvas para evitar bolhas e calos nas mãos e assim por diante.

5ª Dica: Tenha metas a longo e curto prazo. Estabelecer metas a longo prazo, como a perda de peso ou correr uma maratona, pode ser uma forma de se manter motivado. Porém, para alcançar esses objetivos, metas menores podem ser estabelecidas, o que torna mais fácil acompanhar o progresso do corpo. Aumentar gradualmente a dificuldade do exercício realizado facilita chegar ao resultado esperado. É importante estabelecer objetivos realistas e, quando em dúvida de como aumentar a carga do exercício, buscar a ajuda de um profissional, para não sobrecarregar ou lesionar o corpo.

6ª Dica: Cuide da alimentação. Independente do objetivo, uma alimentação balanceada é imprescindível para alcançar os objetivos.

7ª Dica: Ouça seu corpo. É esperado que após longo tempo parado você sinta algumas dores. Porém, se elas forem persistentes é sinal de que a carga ou execução dos exercícios está inadequada. Procure orientação do profissional sempre.

8ª Dica: Hidrate seu corpo. Devem ser consumidos entre 300 e 500mL de água até 30 minutos antes da atividade e mais 200mL a cada 30 minutos. Em exercícios que durem mais de uma hora e que causem grande produção de suor vale a pena usar uma bebida isotônica.

9ª Dica: Use a música ao seu favor. Um estudo publicado no International Journal of Physiology, Pathophysiology and Pharmacology aponta que músicas animadas podem contribuir para uma maior duração dos exercícios físicos sem exigir muito esforço do praticante. Os estímulos provocados pela alteração de humor e pelos movimentos rítmicos podem ser o fator positivo por trás desse truque.

Concentração, energia e disposição, melhorias na saúde e na qualidade do sono estão entre os benefícios de realizar atividades físicas regularmente. Os riscos de doenças como diabetes tipo 2, depressão e alguns tipos de câncer são reduzidos entre as pessoas que mantém uma rotina ativa, de acordo com dados publicados no Journal of Sleep Research e na Cognitive Behavior Therapy.

Boa sorte a todos!

Fonte:

Dr. Jomar Souza– especialista em Medicina do Exercício e do Esporte ( Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte).

Como estão os hábitos alimentares de vocês neste verão?

Na estação mais quente do ano devemos ter alguns cuidados especiais. No calor, as práticas alimentares saudáveis são fundamentais para nos sentirmos mais dispostos e com a saúde 100%.

A nossa Nutricionista Luciana Medeiros está trazendo várias dicas.

  • Os alimentos que devem ser privilegiados no verão são as frutas, as verduras e os legumes, por serem ótimas fontes de vitaminas, minerais e fibras, atuam também como antioxidantes e na imunidade, além de serem alimentos refrescantes. Coma sem medo!
  • O consumo das folhas verdes e legumes (de preferência crus) são livres. Ao temperar as saladas, dê preferência ao azeite de oliva extra virgem, ao limão, ao vinagre e aos molhos à base de iogurte, evite a maionese e os molhos prontos (ricos em gorduras e sódio).
  • Os cereais integrais também são boas opções para o verão, fontes de nutrientes que fornecem energia e fibras que dão mais saciedade, o que ajuda também para quem busca uma mudança na composição corporal. Opte por pães e grãos integrais – evite doces, massas e açúcar refinado.
  • Os ovos e a carnes brancas (frango/ suíno/ peixe) são as fontes de proteína animal mais indicadas para essa época, por serem são mais facilmente digeridas, além de serem mais saudáveis, quando comparadas a carne vermelha. Quanto à forma de preparo, varie entre cozidos, grelhados e assados, deixando de lado as frituras, que tornam a digestão da preparação mais lenta, além de não combinar com o clima quente do verão.
  • Ainda, podemos optar pelos alimentos fontes de proteína vegetal, como as leguminosas. No verão, este grupo de alimentos vem bem sob a forma de saladas (salada de feijão branco, lentilha, ervilha, grão de bico).
  • As altas temperaturas favorecem a perda hídrica por meio do suor. Dessa forma, a recuperação com água deve ser constante, já que o resfriamento do corpo é realizado por meio da produção de suor, que aumenta à medida em que nos movimentamos, andamos e na prática de exercícios físicos. Vale lembrar que a sede é um sinal de que já estamos desidratados, devendo a água ser consumida antes que esse sinal se desencadeie.
  • Os líquidos devem estar presentes a todo o momento para que possamos nos manter bem hidratados. No verão, além da nossa querida água, os chás e os sucos naturais são bem-vindos, mas vale lembrar que o suco contém calorias, por isso, para torná-lo menos calórico e saudável, não acrescentar açúcar.
  • Água mineral, água com gás, água de coco – todas são opções válidas para nos hidratarmos. A água com gás é uma opção, mas contém substâncias químicas não muito indicadas para ser usada com frequência. A água tônica tem açúcar e aditivos químicos que em longo prazo podem causar doenças. Já os isotônicos são mais indicados para praticantes de exercícios físicos que precisam repor a energia e eletrólitos de forma mais rápida e fácil.
  • Delicie-se neste verão com que a natureza nos proporciona – tudo que vem da natureza é a melhor opção. Só depende de você e das suas escolhas.

Por uma vida melhor e com saúde, bora ser feliz!!!

Nutricionista e Profissional da Educação Física Luciana R. Medeiros
Especialista em Fisiologia do exercício e Nutrição esportiva

Fortalecer os músculos protege tendões, articulações e reduz risco de lesões. Desenvolver o hábito de fortalecer a musculatura na vida adulta é fundamental para evitar o sedentarismo e prevenir a perda de massa muscular durante a velhice.

O exercício de fortalecimento muscular também é conhecido como treinamento de força, peso ou resistência, ou simplesmente “levantamento de peso”. Inclui o uso de aparelhos de musculação, faixas de exercícios, pesos manuais ou nosso próprio peso corporal (como flexões, abdominais ou pranchas). Geralmente é realizado em academias, mas também pode ser feito em casa.

Mais de 30 anos de pesquisas clínicas mostraram que os exercícios de fortalecimento muscular aumentam a massa muscular, a força e a densidade mineral óssea. Além disso, melhora a capacidade do nosso corpo em eliminar o açúcar e a gordura da corrente sanguínea e melhora a nossa capacidade de realizar atividades diárias, como subir escadas ou levantar de uma cadeira. Também pode reduzir os sintomas de depressão e ansiedade.

Pesquisas realizadas ao longo dos anos revelam que os exercícios de fortalecimento muscular estão associados a um risco reduzido de morte precoce, diabetesdoenças cardiovasculares e obesidade.

Ao contrário da maioria dos exercícios aeróbios, o treinamento de força pode ser feito em casa. Também pode ser feito sem equipamentos extensos, usando nosso próprio peso corporal. Isso o torna uma ótima forma de exercício durante a pandemia de COVID-19, quando muitas pessoas estão ainda  confinadas em suas casas ou limitadas em seu deslocamento.

Se você não está fazendo nenhum exercício de fortalecimento muscular, começar, mesmo que seja um pouco, provavelmente terá benefícios imediatos para a saúde. As diretrizes recomendam exercitar todos os principais grupos musculares pelo menos duas vezes por semana: pernas, quadris, costas, tórax, abdômen, ombros e braços. Isso pode incluir exercícios de peso corporal, como flexões, agachamentos, ou usando faixas de resistência ou pesos manuais.

Uma das opções para gerar ganho de massa magra é a musculação que, comprovadamente, é uma atividade bastante eficaz também no ganho de massa óssea, além de oferecer menos riscos de lesões do que alguns esportes, como futebol, tênis e basquete. Porém, é importante sempre ter orientação de um profissional de educação física antes de iniciar qualquer atividade.

Fonte:

– Dr.Silvio Musman Médico especialista em pneumologia, medicina do exercício e do sono; CRM 20.768

– Dr. Gustavo Magliocca, Médico do Esporte CRM 124959.

Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte

Vocês sabiam que o Brasil tem maior prevalência de depressão da América Latina e é o país mais ansioso do mundo?  A pandemia de Covid-19 contribuiu para intensificar problemas psíquicos e emocionais vivenciados pelos brasileiros. Pensando nisso, estamos trazendo informações importantes pra vocês sobre como a prática regular de exercícios físicos poderão auxiliar na melhora da saúde física e mental pós-pandemia.

A pandemia do novo coronavírus está afetando não apenas a saúde física, mas também as outras dimensões de bem-estar, pelo impacto nas atividades diárias de cada indivíduo e da sociedade. Não faltam exemplos: fechamento de escolas, distanciamento social, alteração do ambiente familiar, mudança de rotinas, instabilidade trabalhista e outros.  Isso tudo traz insegurança, medo e ansiedade para o indivíduo e para a comunidade – e exige adaptações significativas. Nos tempos atuais, a ideia de promoção da saúde, em uma perspectiva bem ampla, torna-se especialmente relevante, pois é fundamental que as pessoas tenham ferramentas para reduzir os efeitos do estresse. Por exemplo, a atividade física, a alimentação e a meditação estão diretamente associadas a um risco menor de desenvolvimento de sintomas e transtornos de ansiedade e depressão, riscos grandes neste momento pelo qual estamos passando.

Engajar-se em práticas que reduzem o estresse, como a meditação, alimentar-se bem e exercitar-se regularmente, faz parte de hábitos de vida que, além de garantir o bem-estar, protegem nosso coração e nosso cérebro.

Benefícios da atividade física

 Do ponto de vista cardiovascular, a atividade física leva a uma série de benefícios, como redução da pressão arterial, da glicemia e inflamação do sangue, do risco de formação de coágulos no organismo, além do aumento do bom colesterol. Sem contar que fortalece o músculo cardíaco.

Estudos anteriores à pandemia já mostravam que pessoas mais fisicamente ativas têm um risco entre 17% e 25% menor de desenvolver depressão e ansiedade ao longo da vida. Da mesma forma, indivíduos que gastam mais horas do seu dia em comportamento sedentário, como estarem sentados, deitados ou reclinados, apresentam um risco maior de desenvolver ansiedade e depressão, o que aumentou bastante nesta pandemia.

Meditação: olhar para dentro de si e regular as emoções.

As técnicas de meditação e intervenções baseadas em mindfulness têm sido utilizadas como estratégia de promoção de saúde física e mental, sendo eficazes para a redução de estresse e ansiedade, tanto em jovens quanto em idosos. Essas estratégias colaboram para o desenvolvimento de uma maior consciência do corpo, dos pensamentos e dos sentimentos. Assim, é possível aprender a lidar, de forma mais calma e menos reativa, com os acontecimentos negativos e as emoções. Ou seja, ao meditar, é possível mudar percepções, interpretações, sensações e sentimentos. Nos tempos atuais, em que não é possível controlar eventos externos, a meditação ajuda a regular e a diminuir pensamentos e emoções negativas, como ruminações, tristeza ou raiva. Isso não significa que a tristeza será extinta, mas sim que os eventos negativos podem ser absorvidos de uma forma menos prejudicial, e sem provocar um sofrimento inesgotável. Qualquer um pode meditar Mesmo em pessoas com pouca prática, ou após uma única sessão, os efeitos benéficos da meditação já podem ser sentidos. Não é preciso fazer ioga ou ser budista, basta aprender a usar a meditação como uma ferramenta para reduzir o estresse, a ansiedade e aumentar o seu bem-estar.

Cuidado Essencial

 Estar bem significa um estado de bem-estar físico, psicológico, social e espiritual, e, assim, cuidados com a promoção da saúde e estilo de vida são centrais para a geração e a manutenção de bem-estar no cotidiano.

Não deixe para depois o que você pode fazer a partir de hoje. Reavalie seus hábitos e planeje uma mudança saudável para toda a vida.

Fonte:

Este artigo foi baseado no guia de saúde mental pós-pandemia no Brasil elaborado por 21 renomados especialistas do Brasil, que a convite da Upjohn, divisão da Pfizer focada em doenças crônicas não transmissíveis, em parceria com o INI (Instituto de Ciências Integradas), responsável pela organização do Congresso Brain, Behavior and Emotions e com o apoio institucional do Hospital Alemão Oswaldo Cruz (HAOC), desenvolveram um documento fruto de intenso esforço, pesquisa e dedicação.

Para baixar o guia de saúde mental pós- pandemia no Brasil acesse o site: https://www.pfizer.com.br/noticias/releases/guia-de-saude-mental-pos-pandemia-traz-orientacoes-e-dicas-para-problemas-psiquicos-e-emocionais

É muito comum que as pessoas passem a maior parte dos seus dias no ambiente de trabalho. Principalmente em tempos de Pandemia, onde o Home Office ainda se faz presente na realidade das Empresas. Como consequência, se torna natural que grande parte do que acontece por lá influencie o comportamento do profissional, além de seu rendimento e, principalmente, sua saúde – física e mental.

Pode não parecer, mas o investimento na melhora da qualidade de vida envolve custos mínimos se comparados à falta desse recurso. Equipes insatisfeitas tornam-se improdutivas, estão mais propensas a erros e atuam no limite do stress.

Investindo no Bem Estar dos Colaboradores

O investimento no bem-estar dos colaboradores traz diversos efeitos positivos, como o maior comprometimento dos profissionais. Segundo a Sodexo, empresas que se preocupam com essa questão são, em média, 86% mais produtivas. A qualidade de vida no trabalho pode ser aperfeiçoada, principalmente, com a mudança de hábitos dentro da empresa. Respeitar os profissionais nos aspectos físico e mental, por exemplo, é um bom começo para garantir boas condições de trabalho, além da melhora do clima organizacional da Empresa, que representa a atmosfera psicológica, isto é, como os profissionais percebem o ambiente de trabalho e como são impactados por ele.

Ginástica Laboral e Qualidade de Vida no Trabalho

A Ginastica Laboral é a prática de atividades físicas dentro do ambiente da empresa, realizada durante o expediente para melhorar a disposição do trabalhador. As aulas são conduzidas por um profissional de educação física capacitado, adaptando o programa para cada público, com exercícios voltados para as necessidades dos colaboradores. São inúmeros os benefícios que a Ginastica Laboral promove para as Empresas e Colaboradores:

  • Combate e previne as L.E.R./D.O.R.T.
  • Combate o sedentarismo, estresse, depressão e ansiedade.
  •  Melhora a flexibilidade, força, coordenação, ritmo, agilidade e resistência, promovendo uma maior mobilidade e postura.
  • Redução da sensação de fadiga no final da jornada.
  •  Favorecimento do relacionamento social e o trabalho em equipe.
  •  Redução de despesas por afastamento médico, acidentes e lesões, melhorando a imagem da instituição perante os funcionários e a sociedade.
  •  Aumento da produtividade e qualidade.

Dores e Desconfortos

Sentir dores nos ombros, próximo aos pulsos ou na coluna pode ser consequência de ficarem longas horas em uma mesma posição. Trabalhar o dia todo sentado, em frente ao computador, ou ainda em pé, repetindo os mesmos movimentos seguidas vezes pode trazer uma série de problemas para a sua saúde. A ginástica laboral vem para minimizar esses problemas. Segundo o Conselho Federal de Educação Física, o objetivo dessa atividade é “proporcionar ao funcionário uma melhor utilização de sua capacidade funcional através de exercícios de alongamento, de prevenção de lesões ocupacionais e dinâmicas de interação”.

 “O bem estar e a qualidade de vida são requisitos básicos para a produtividade. O cuidado com a saúde física e mental demonstra comprometimento com o futuro”.

Fonte:

Ginástica Laboral: Atividade Física no Ambiente De Trabalho; 
Saúde do Trabalhador na APS: possibilidades, desafios e perspectivas;
Gestão da qualidade de vida no trabalho;
Confef.

A Qualidade de Vida saudável se constrói ao longo do tempo e podemos desenvolvê-la se dermos atenção ao que é necessário. Sabe-se que não é simples uma mudança no estilo de vida, mas com persistência, disciplina e determinação pode-se buscar melhorias constantes que resultam no equilíbrio saudável.

Campos (2010) conceitua a saúde sendo bastante amplo, pois deve abarcar as diversas dimensões da vida seja a física, mental, social e espiritual, são todas importantes, pois devemos considerar que o ser humano é constituído de corpo, mente e espírito.

Por sermos seres sociais precisamos pensar na valorização dos laços familiares, da amizade e do ambiente de trabalho.

Os hábitos saudáveis e as boas práticas de saúde resultam no bem-estar e uma vida mais longa, com uma maior harmonia física, emocional, mental, social, espiritual e claro, profissional!

A qualidade de vida saudável e a promoção do bem-estar no trabalho é uma preocupação crescente e fundamentada das organizações que buscam alta competitividade em mercados cada vez mais globalizados. A ginástica laboral surge como uma possibilidade da diminuição de afastamentos decorrentes da atividade laboral, da redução de atestados médicos e acidentes de trabalho e do aumento da produtividade, além de uma ferramenta eficiente na promoção de bem-estar, estilo de vida e conhecimento sobre a saúde dos trabalhadores.

 A busca por um corpo e uma mente sadios! Confira algumas dicas para isso:

  • Beba muito água.
  • Tenha uma dieta rica em alimentos naturais, evitando produtos industrializados e com excesso de sal, açúcar e gordura.
  • Cuide da sua saúde mental.
  • Evite bebidas alcóolicas e o fumo.
  • Faça consultas regulares com o seu médico de referência.
  • Pratique exercícios físicos com regularidade dentro e fora das empresas!

Somos responsáveis por todas as decisões que tomamos ao longo da vida; e nunca é tarde para revermos conceitos e elaborarmos novas estratégias para melhorarmos a nossa saúde física, mental e espiritual. O início do ano é um bom período para um novo planejamento.

Vamos lá? Boa sorte a todos e muita saúde em 2021!

O começo do ano é uma oportunidade para colocar em pauta um assunto importante e muitas vezes negligenciado: a saúde mental. Esse é o objetivo do Janeiro branco — ação que segue os moldes do Outubro rosa e do Novembro azul — mas com foco na promoção da saúde emocional da população.

Devido à relevância da questão, esse é um movimento que pode e deve ser levado para o ambiente corporativo, com a implementação de ações voltadas para o bem-estar psicológico dos colaboradores.

Janeiro Branco

O que é janeiro branco?

Janeiro branco é uma campanha que nasceu em 2014 por iniciativa de um grupo de psicólogos da cidade de Uberlândia, MG, que passou a abordar indivíduos na rua e a realizar palestras alertando sobre o tema. O objetivo é que as pessoas voltem seu olhar para as questões subjetivas do ser humano, de modo a promover uma cultura de saúde mental.

É, portanto, uma maneira de investir em psicoeducação, para que a população passe a ter consciência de suas emoções e saiba como identificar os problemas psicológicos, de forma a se prevenir e evitar que se tornem algo mais grave no futuro. Assim, as pessoas deixam de encarar o tema de saúde mental como tabu e também passam a procurar ajuda, como as terapias, se necessário.

Qual é a importância dessa campanha no contexto empresarial?

Quando se fala em problemas de saúde mental não tem como não destacar a influência do trabalho nisso. Segundo uma pesquisa da Isma-Br, representante local da International Stress Management Association, 90% dos brasileiros apresentam sinais de ansiedade, dos mais brandos aos considerados incapacitantes. Outro estudo da mesma entidade aponta ainda que 70% da população economicamente ativa brasileira sofre com o excesso de estresse.

Nesse sentido, é fundamental que as empresas se engajem no Janeiro branco, trazendo à tona a questão da saúde mental no ambiente corporativo. A campanha serve para alertar ainda sobre as consequências que problemas como ansiedade, estresse e depressão têm na rotina dos colaboradores e, consequentemente, na produtividade e resultados das organizações.

No entanto, é importante ter em mente que a preocupação com o bem-estar dos funcionários não deve ser apenas em janeiro em virtude dessa iniciativa, e sim um compromisso permanente da empresa.

Por que promover a saúde mental dos colaboradores?

Para que uma empresa alcance bons resultados, é imprescindível contar com colaboradores engajados e saudáveis. Assim, há um aumento da produtividade e redução das faltas e do absenteísmo. Todavia, os números mostram que não é isso o que ocorre em muitas organizações, visto que os transtornos mentais são uma realidade presente no trabalho. De acordo com a Previdência Social, a depressão foi a décima maior causa de mais afastamentos em 2017, o que gerou mais de 43 mil auxílios-doença.

Dessa forma, é evidente que não dá para cruzar os braços diante de uma questão tão delicada como essa. As empresas devem buscar estratégias para promover a saúde de suas equipes por meio de programas focados nas condições reais de seus colaboradores. Ou seja, não adianta instituir medidas de cunho geral e sem nenhum planejamento, pois o gestor apenas tem um custo a mais no orçamento e não consegue atender, de fato, às necessidades da sua equipe.

A Corpo em Ação preparou um mix de atividades para promoção da saúde mental dos seus colaboradores. Quer saber mais? Entre em contato conosco.

Teremos a imensa alegria em contribuir para que o ano de 2021 seja repleto de muita saúde para todos vocês!

Um novo ano chega e junto com ele o verão. Férias, sol, mar, calor, tudo de bom não é mesmo? Mas vocês sabiam que o nosso corpo perde muita água por conta da extensa exposição ao sol e as elevadas temperaturas?  Nesse momento é importante hidratar-se. Fornecer os nutrientes que o corpo precisa para continuar trabalhando de modo adequado é fundamental.

Hidratação no Verão

A água está distribuída em dois espaços principais, dentro e fora das células. No espaço intracelular está cerca de 65% do total de água corporal, restando ao espaço extracelular os demais 35%. Para a manutenção da saúde, os seres humanos devem consumir água constantemente.

Uma pequena parte da água que precisamos para suprir nossas necessidades diárias é formada pelo próprio corpo (250 – 350 mL), tornando essencial a busca por outras fontes. Portanto, a ingestão de água é fundamental para se atingir as necessidades diárias.

As informações é de que mulheres têm menor necessidade de ingestão hídrica que os homens. Estima-se uma variação em torno de 0,5 L, devido a menor massa corporal e menor proporção de água corporal. A necessidade total de água para homens sedentários é de aproximadamente 2,5 L por dia, podendo aumentar até 6,0 L em caso de atividades físicas. Devido à ausência de evidência, o Institute of Medicine (IOM), não pode estabelecer seus níveis de recomendação (EAR e RDA) para a ingestão de água. Porém, foi proposto o valor da ingestão adequada (AI) para a água total, com o objetivo de prevenir os efeitos deletérios da desidratação.

Abaixo segue tabela com as indicações do Institute of Medicine (IOM):

Tabela de recomendação de ingestão de água publicada pelo Institute of Medicine (IOM):

 Dicas básicas

 Quando temos a sensação de sede, é porque já perdemos uma boa parte da hidratação do organismo. Por isso, manter-se adequadamente hidratado é a chave para sentir-se bem durante todo o verão. Confiram as dicas dos vigilantes do peso:

  • Beba bastante líquido: além de água, também podemos aumentar nossa ingestão de líquidos com água de coco, sucos naturais, mate, chás gelados, frutas e legumes ricos em água – como o abacaxi, a melancia, o chuchu e o tomate.
     
  • Experimente água aromatizada: dê sabor à água adicionando rodelas de limão, laranja, pepino ou abacaxi, morangos em pedaços, folhas de hortelã ou manjericão, gengibre ou outros ingredientes à sua escolha. Experimente utilizar água com gás para ter uma nova experiência!
  • Prepare seu próprio picolé: utilizando sucos naturais e forminhas próprias para picolé, você vai garantir sua hidratação com muito mais sabor. Sucos de frutas como maracujá, melancia, goiaba e tangerina são ótimas opções para fazer seu picolé caseiro.
     
  • Evite o excesso de bebidas alcoólicas: consumir bebidas alcoólicas em excesso leva a uma maior perda de água, principalmente através da urina. Caso faça consumo de bebidas alcoólicas, o ideal é também beber bastante água. Garanta seu bem-estar revezando o consumo dos dois.

Vamos aproveitar o verão mas sem se descuidar com a nossa saúde!

O verão chegou, que maravilha não é mesmo?

O verão tem início no dia 21 de dezembro de 2020, mas dezembro também é o mês da campanha de prevenção do Câncer de Pele (#Dezembro Laranja).

A exposição solar exagerada e desprotegida ao longo da vida, além dos episódios de queimadura solar, são os principais fatores de risco do câncer de pele, segundo o coordenador do #DezembroLaranja, Dr. Elimar Gomes.

Vamos nos prevenir pessoal?

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), em 2020 os números de câncer de pele no Brasil são preocupantes.

A doença corresponde a 27% de todos os tumores malignos no país, sendo os carcinomas basocelular e espinocelular (não melanoma) responsáveis por 177 mil novos casos da doença por ano. Já o câncer de pele melanoma tem 8,4 mil casos novos anualmente. “Os números de incidência do câncer de pele são maiores do que os cânceres de próstata, mama, cólon e reto, pulmão e estômago.

A exposição solar exagerada e desprotegida ao longo da vida, além dos episódios de queimadura solar, são os principais fatores de risco do câncer de pele. Segundo o coordenador do #DezembroLaranja, Dr. Elimar Gomes, “qualquer um de nós pode desenvolver um câncer de pele, porém existem pessoas mais propensas como as de pele, cabelos e olhos claros; indivíduos com histórico familiar de câncer de pele; múltiplas pintas pelo corpo e pacientes imunossuprimidos e/ou transplantados. Estas pessoas precisam de um cuidado a mais com a pele e de avaliação frequente de um médico dermatologista”, frisa o especialista.

É preciso prestar atenção

  • Em pintas que crescem;
  • Manchas que aumentam;
  • Sinais que se modificam ou feridas que não cicatrizam pois podem revelar o câncer de pele.

 “O autoexame frequente facilita o diagnóstico e tratamento precoces. Ao notar algum dos sintomas, procure um médico especialista em dermatologia”, orienta Dr. Elimar Gomes.

Proteja-se


Os cuidados vão desde a infância, é importante que os pequenos tenham conhecimento desde cedo que os hábitos de fotoproteção são fundamentais para não desenvolver a doença:

  • Usar de óculos de sol;
  •  Blusas com proteção UV;
  •  Bonés ou chapéus e preferir a sombra;
  •  Evitar a exposição solar entre 9h e 15h e utilizar filtro solar com FPS igual ou superior a 30, reaplicando a cada duas horas ou sempre que houver contato com a água.

O verão é a estação que convida a todos para aproveitar o máximo; diversão ao ar livre, praticar esportes, banho de mar, piscina, banho de sol. Tudo isso é possível se cada um souber se proteger. Ah, lembrando que ainda estamos na Pandemia e precisamos continuar seguindo os protocolos de segurança.

E viva o verão!
Fontes:

– Sociedade Brasileira de Dermatologia

– Instituto de Oncologia Cutânea

CBDOILKaufen.com